Sexta-feira, 26 de Dezembro de 2008

 

 

Em vésperas de Natal a Política continua a ser o principal tema abordado pelos media em Portugal muito por conta dos Professores, do estatuto dos Açores e, agora, do chumbo por parte do Tribunal Constitucional acerca da proposta de alteração para o novo código do trabalho. Assuntos a que muitos apetecerão recorrer como critica ao actual executivo. No entanto continuo sem ver, neste como em outros assuntos políticos, a Dr.ª Manuela Ferreira Leite comentar, criticar e aplaudir ou apresentar alternativas ao governo. Não deveria ser esta a principal função da actual Nº1 do maior partido de oposição? Ontem, mais uma vez, foi Pedro Rangel que assumiu o combate político e deu a cara por um partido cada vez mais degradado internamente. Lembram-se da polémica das faltas dos deputados do PSD no parlamento em dia de votações? Pois, também dessa vez foi este senhor quem apareceu sozinho numa atitude responsabilizadora, enquanto líder da bancada parlamentar deste partido. Não obstante da sua função, parece-me que dada a dimensão das consequências que advieram desta polémica, a Dr.ª Manuela Ferreira Leite deveria ter aparecido como suporte ao Dr. P. Rangel numa atitude de sincronismo e solidariedade. Mais que isso, deveria ter assumido que o caso teria impactos internos no partido devendo ser assumido pelos órgãos máximos do PSD com a seriedade que lhes é devida.

 

Se em Maio deste ano eu cria que a experiência da Dr.ª Manuela Ferreira Leite era ideal para unir forças internas e projectá-las para uma oposição pressionante, hoje vejo-me à procura dessa figura de rigor. De repente a principal figura do PSD desapareceu, simplesmente, do panorama politico Português e, pior que isso, apresentou a demissão ao debate social e económico impreterível entre todos aqueles que, pelo menos em tese, nos representam. É certo que esta senhora não foi eleita directamente pelos nossos votos, nem tem assento parlamentar, mas não podemos ignorar a sua condição de líder partidária de um dos partidos que nos afiguram na A.R.

 

O partido social - democrata, à sua cabeça, é a imagem perfeita do caos interno que por ali se vive. Santana Lopes, que procura de novo o seu “poleiro” na CM da Capital deste país de Galos de crista grande, motivou já uma nova polémica interna com Pacheco Pereira que se dispõe a alterar o município de voto apenas para não ter de votar obrigado no seu colega partidário, em Lisboa. Digam – lá se isto não é hilariante? Neste momento é Paulo Portas quem esfrega as mãos vendo a verdadeira oposição, à direita, TODA reduzida ao seu combate. Não é igualmente hilariante?

 

Amigos leitores, com esta hoje vos deixo.

Um Feliz Natal.

Boas Festas

24 de Dezembro de 2008

 

publicado por Fábio Duarte às 20:03

mais sobre mim
pesquisar
 
Dezembro 2008
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16

21
23
24
25

28
29
31


Últ. comentários
Realmente tens razão Fábio apesar de inexperiente ...
Sem dúvida boa temática escolhida. Quando pensávam...
http://cthings.blogs.sapo.pt/Novo blog, aparece : ...
Sem dúvida um dos teus melhores post!'Gosto!Gosto ...
Gosto do novo estilo do teu blog! :D
Tira um tempinho para escreveres aqui! Saudades*
por vezes é bom escrevermos aquilo que sentimos! :...
Será que todas as palavras definem aquilo que sent...
É incrível essa tua capacidade de surpreender. Mes...
Palavras . Meras palavras que são capazes de refle...
links

blogs SAPO


Universidade de Aveiro